Alongamento Muscular 2

Na semana passada explicamos porque o músculo não possui a propriedade de se esticar como outros tecidos: pele, vasos sanguíneos; ou seja, não tem propriedade elástica. É importante ressaltar, entretanto, que quase todos os tecidos do organismo são dotados de viscoelasticidade. Essa condição é diferente fisiologicamente e está principalmente relacionada a substância fundamental intercelular, ou seja, que preenche todos os espaços entre as células. Essa substância é constituída predominantemente pelo tecido colágeno do tecido conjuntivo. Dentre elas destaca-se o ácido hialurônico, que faz um “feedback” com a enzima hialuronidase, controlando a viscoelasticidade e a permeabilidade da substância fundamental. Essa viscoelasticidade tem como função primordial, controlar a permeabilidade do sistema num controle da natureza aos produtos nutritivos e residuais. É dessa forma que as células interagem com a matriz conjuntiva. Em resumo, na elasticidade o tecido ao esticar-se aumenta o seu comprimento no espaço, diminuindo simultaneamente seu diâmetro médio e cede facilmente a tensão, mas retoma o seu diâmetro rapidamente ao fim do estímulo. A viscoelasticidade depende diretamente da quantidade de água da substância fundamental e regula a permeabilidade aos nutrientes e resíduos do metabolismo. Apesar dos músculos não esticarem propriamente dito é extremamente saudável praticar exercícios de alongamento, que significam relaxamento muscular na nossa vida moderna. Hoje com 7 bilhões de pessoas andando pela superfície da terra, vivendo estresses contínuos, relaxar é qualidade de vida. Na nossa querida cidade de São Paulo, nós paulistanos deveríamos praticar pelo menos 40 minutos de relaxamento diário. Isso tornaria nossa vida mais agradável e diminuiria os riscos à saúde tão frequentes decorrentes do vírus do stress. Na semana que vem continuaremos com alongamento muscular III. Boa semana a todos os leitores! Um abraço! Dr. Beny Schmidt

MANDE SUA MENSAGEM

Desenvolvido por Mais Comunicativa.